Mini resumo da Liga Europa

Benfica 2 – Tottenham 2: E porem o Garay a ponta de lança, não?

Nápoles 2 – Porto 2: Grande segunda parte dos tripeiros. O golo de Quaresma é épico. Hoje até eu lhe comprava um tapete…

O Fabiano é tipo o abominável homem das neves. O próprio Mangala, que tem 1.87m, parecia uma criança ao lado dele, no alinhamento das equipas.

 

Anúncios

Incidências de Alvalade

Os erros de arbitragem voltaram a ser o destaque de mais um jogo do Sporting. Contrariamente à tendência, desta vez houve benefício para o Sporting. Curiosamente, o lance que os adeptos do Porto mais reclamam (talvez por ter sido o que originou o único golo da partida) nem foi para mim o lance mais grave. O fora-de-jogo do André Martins é no limite, tal como os do Montero na primeira volta. Já aqui disse isto e volto a reforçar: os árbitros não estão em casa a ver repetições em câmera lenta e com linhas virtuais, e este fora-de-jogo só se consegue vislumbrar desta maneira. Não se pode criticar o fiscal por este lance, até porque em caso de dúvida, a regra diz para beneficiar a equipa que ataca. Foi o que sucedeu.

Na minha opinião, onde o Porto pode reclamar é na obstrução de Cedric a Jackson, perto do intervalo. Vendo o lance em repetição, dá a entender que a acção de Cedric perturba de forma faltosa o cabeceamento do colombiano. Um penalti neste lance não me chocaria. Os adeptos do Porto falam no eventual segundo amarelo para Cedric aqui, mas tal não faz sentido, porque o lateral do Sporting acabou o jogo sem nenhum cartão.

Hoje BdC deu mais uma conferência de imprensa com foco na arbitragem. Não me revejo aqui. Começam a fartar este tipo de “eventos” e espero que tal não se torne um habitué das segundas-feiras. Ficou-lhe bem contudo ter reconhecido que houve benefício no lance de André Martins. Espero que este tipo de conferências de imprensa fiquem por aqui, da mesma forma que espero arbitragens isentas até ao final do campeonato.

PS1: Já agora, de quem é a culpa do FC Porto ter tantas derrotas fora como o… Arouca?

PS2: O Benfica deu hoje outra enorme prova de força ao marcar 4 golos num dos campos mais difíceis  da liga. O campeonato está cada vez mais entregue.

Descubra as diferenças…

Belenenses – Benfica
Setúbal – Sporting

No primeiro jogo, o Belenenses marcou um golo válido, mal anulado pelo árbitro. No segundo, o Sporting viu um golo limpo ser-lhe anulado.

No primeiro jogo, Miguel Rosa, um dos melhores jogadores do Belenenses não jogou, devido ao “acordo de cavalheiros” feito entre os presidentes dos clubes (tinha de ser assim, porque qualquer clásula que impedisse o jogador de jogar é ilegal). No segundo jogo, João Mário, emprestado pelo Sporting ao Setúbal, não se engripou no decorrer desta semana e jogou contra o Sporting.

É também com estas diferenças que se fazem os campeões, não é?

Num pacote de leite perto de si

Mig RosaDesapareceu no passado fim-de-semana, Miguel Rosa.

Da última vez que foi visto era titular do Belenenses.
No dia do seu desaparecimento vestia uma camisola azul, calção branco e calçava umas chuteiras pretas.
As únicas pessoas que terão alguma pista sobre o seu paradeiro são a SAD do Belenenses (a do Benfica também) e o treinador Marco Paulo, mas os mesmos preferem não tecer qualquer comentário.

Adiado

O derby foi adiado.

Se o motivo foi a sujidade do relvado, cheio de detritos que caíam da cobertura, então não percebi. Já vi coisas bem mais sujas no relvado da Luz, tipo a arbitragem do Capela o ano passado, e ninguém adiou o jogo. O próprio Jorge Jesus, veio dizer que também não entendia o adiamento da partida. Diz ele que o relvado estava, de acordo com a sua definição da palavra, limpinho, limpinho.

De gatas…

Vlad Chiriches, defesa internacional romeno do Tottenham, foi apanhado (mesmo muito) bêbado numa viagem recente a Bucareste.

O vídeo anda já a fazer o habitual tour pelas redes sociais:


Ao ver isto, assolou-me um pensamento: “Onde terá este tipo aprendido a beber desta maneira?” Até que, numa pequena visita ao site do zero zero, vi o historial do jogador. Chequem onde o menino jogou em 2007 / 08.

Vlad

Liga Europa

O Benfica venceu hoje na Luz o PSG. Com mérito. Foi melhor que os franceses. Fez 10 pontos no grupo C, que se revelaram contudo insuficientes para seguirem em frente, devido à vitória do Porto contra o Anderlecht. Eu disse Porto? Perdão, mas em jogos onde há 3 expulsões e 3 penaltis a favor da mesma equipa, penso sempre que o Porto está envolvido.

A grande diferença entre o jogo de hoje do Benfica e aquele que fez contra o Arouca, esteve na atitude. Silvio em vez de Cortez ajudou. O Gaitan da Champions em vez do Gaitan do campeonato também. É curioso ver que a vitória e a boa exibição da equipa foram assentes num 4-3-3, táctica tão criticada por Jorge Jesus, que chegou inclusive a dizer: “é táctica de equipa pequena”. Os melhores jogos do Benfica esta época, foram todos feitos com a equipa escalonada nesse sistema: contra o Olympiakos na Grécia, contra o Sporting na taça, e hoje frente ao PSG. Talvez porque dessa forma, Enzo Perez e Gaitan (os 2 médios mais criativos do Benfica), conseguem estar em zona mais decisivas do terreno, não tendo de se desgastar tanto em tarefas defensivas. Com a cobertura de 2 médios defensivos, os próprios laterais podem envolver-se mais no ataque e criar desequilíbrios, sem comprometer a equipa na rectaguarda.

No campeonato, contra equipas mais fechadas, este sistema dará lugar ao habitual 4-1-3-2. É o que faz sentido para desequilibrar “autocarros”. O sucesso do Benfica esta época, passará pela gestão que Jorge Jesus fará entre uma táctica e outra, bem como pela quantidade de jogos que o Benfica terá na Liga Europa, competição na qual o FC Porto também deverá cair esta quarta-feira.

O passado, o derby e o futuro

O derby foi uma jogatana do car***, foi sim senhor, mas…

O desnível entre as duas equipas é maior do que o jogo de ontem transpareceu.

Nos últimos anos (em particular a época passada), a diferença de qualidade entre o Sporting e o Porto / Benfica, tem sido de tal maneira abismal, que não pode ser mitigada apenas de um ano para o outro.
Vão ser precisos vários anos de uma boa gestão de Bruno de Carvalho e de uma aposta contínua nos jovens da academia (não os vendendo às primeiras boas ofertas), para o Sporting se aproximar verdadeiramente dos níveis actuais de Porto e Benfica.
Ontem valeu o crer e a alma dos jogadores do Sporting que os permitiu jogar de igual para igual contra uma equipa que joga junta há vários anos e cujo orçamento é largamente superior. Foi a vontade deles, aliada à qualidade que têm obviamente, que fez com que a vitória pudesse ter caído para qualquer lado.

Uma das principais diferenças entre as equipas reside na defesa.
Maurício e Rojo são centrais de razoável qualidade, mas não são centrais para uma equipa de topo. Pelo menos ainda (conseguirão lá chegar?). Esse foi aliás um dos factores que fez desiquilibrar o jogo do dragão há umas semanas atrás. Lá, Mauricio fez um penalti completamente infatil, enquanto Rojo ficou impávido a ver Danilo passar por ele e fuzilar para para o 2-1. Ontem, Cardozo (a única referência atacante no centro da área benfiquista), aparece completamente à vontade no 2-1 e no 3-1. Inaceitável.

Outro factor é a experiência. Os plantéis de Benfica e Porto têm muitos mais jogos no futebol nacional e europeu que o do Sporting. Resta ao clube continuar a apostar na base de jogadores que tem, sob a orientação de Leonardo Jardim, e sob alçada de Bruno de Carvalho, que é sem dúvida uma lufada de ar fresco face à merda de presidentes que os leões têm tido nos últimos 10 – 15 anos. Um pouco de paciência é o que se pede aos sócios e adeptos. Se já a tiveram com quem não a merecia, que a tenham agora com quem a merece.

E depois, Cardozo… com estes indices de eficácia, o paraguaio bem pode continuar a
empurrar Pedro Proença e Jorge Jesus. Até pode agredir o presidente ou até mesmo o
Eusébio, que ninguém se irá importar.

PS: Um derby destes não merecia ser decidido com um golo daqueles. Quanto à arbitragem, houve uma série de lances em que se pode aceitar uma interpretação dúbia. Excepto num. A mão de André Almeida na área, aos 108 minutos. Era penalti para o Sporting.

Uma tragédia grega servida à espanhola

Quão irónico é o futebol. O Benfica fez este ano uma série de más exibições em que
conseguiu contudo ganhar o jogo: 2-1 ao Gil Vicente em casa, 1-0 ao Guimarães fora, 2-0 ao Nacional em casa… Hoje, fizeram a melhor exibição da época, e perderam. É estranho este jogo chamado futebol.

Mérito total para Roberto, que defendeu absolutamente tudo. Em certos momentos fez-me lembrar Michel Preud’homme. O espanhol fez no fundo aquilo a que habituou os adeptos encarnados: uma exibição comprometedora para os objectivos do Benfica.

Um farol chamado Raberto

O Benfica deu hoje uma grande lição em “como deitar fora uma primeira parte”, bem ao estilo do Sporting dos últimos anos de Paulo Bento.

Numa noite de temporal valeu ao clube da luz um farol chamado Roberto, que voltou a fazer mais uma exibição comprometedora na Luz. O espanhol falhou a saída num canto, permitindo o empate a Cardozo.

PS: Saviola também manteve a bitola exibida nos seus últimos anos de Benfica: Banquinho… e sem chegar com os pés ao chão.

 

 

Uma jornada histórica

“Desculpe, mas que cartão é esse?”

Foi  isto que Maxi Pereira terá dito ao árbitro do Estoril – Benfica quando este lhe exibiu um cartão vermelho. Tendo em conta alguns joguinhos que o uruguaio já fez na liga portuguesa sem nunca passar do amarelo, fonte próxima do Benfica terá mesmo afirmado que o jogador não tinha conhecimento da existência do cartão vermelho.

Sábado há derby

Derby
Sábado. Alvalade. Às 20h joga-se o primeiro clássico deste campeonato.

Cenários possíveis:

Sporting vence – Com 3 vitórias em 3 jogos, sendo que duas foram goleadas e outra sobre o eterno rival, o Sporting mesmo querendo fugir ao rótulo de candidato ao título, terá de enfrentar as próximas jornadas com o peso desse estatuto.

Empate – Tudo na mesma, resultado que não deixará história nem terá grande impacto anímico em nenhuma das equipas.

Benfica vence – Os adeptos do Sporting (como habitual) passarão da euforia à depressão e tudo estará mal de novo, desde o treinador passando pelos jogadores e presidente… O Benfica capitaliza mais uma injecção de moral depois da obtida frente ao Gil Vicente e relança-se definitivamente no campeonato. O Luisão chamará novamente “filhos da p…” aos adeptos encarnados.

A honestidade é uma virtude

Está prevista para esta terça-feira a chegada de Funes Mori a Lisboa para ingressar no Benfica. De negócios em que se compra gato por lebre está o futebol cheio, mas penso que é inédito ser o próprio jogador a alertar para aquilo que poderá ser uma má aquisição:

Mori

Funes Mori joga a ponta de lança. “Falta-me marcar golos” era uma declaração que se aceitaria a um trinco, ou a um defesa central, mas não a um “9” clássico, que o Benfica certamente terá contratado para fazer aquele jeitinho a um empresário marcar golos…

Gostava que houvesse neste mundo mercenário que é o futebol, mais jogadores a seguirem o exemplo de honestidade de Funes Mori. Gostava de ver um Jeffren, por exemplo, a dizer: “Falta-me não passar 80% da minha carreira na enfermaria”. Ou ouvir um Bruma dizer: “Falta-me só aprender a segunda metade do alfabeto”.

Tacuara…

Cardozo_perdao

Costuma-se dizer que só se dá valor, ao que se deixa de ter. Mais uma vez se prova que é verdade. Foi após a inércia finalizadora que se viu contra o São Paulo, que todos os adeptos benfiquistas se lembraram que Cardozo faz realmente falta. Provavelmente até aqueles que sempre o criticaram. Cardozo será o reforço mais importante do Benfica para a temporada que se avizinha. Após (ter sido obrigado a) pedir perdão, o paraguaio, que conhece o esquema de Jesus como poucos, vai reintegrar os treinos do Benfica e irá manter seguramente a bitola dos 30 golos por época.

O único tipo da nação benfiquista que ficou fud*** com esta notícia terá sido o Rodrigo…

Apanhados

– O português Rui Costa ganhou uma etapa da volta à França em doping. Não sei se o nosso tuga estava dopado ou não, mas é de enaltecer o feito deste “maestro” das bicicletas.

– Por falar em doping, que tal porem o Salvio a urinar para um frasquinho? O pequeno argentino está com mais ritmo agora do que a meio de uma época desportiva.

– Entretanto o Sporting divulgou os resultados dos testes de Q.I. feitos a jogadores e staff do clube. Destaque para Bruma, que ficou em último lugar, com um score inferior ao do roupeiro Paulinho.

 

Curiosidades…

Número e factos sobre o campeonato que agora findou:

– O Izmailov teve de mudar de nome (para Izmaylov), para finalmente ser campeão.

–  Jackson Martinez marcou golos a todas as equipas do campeonato, em ano de estreia.

– Foram zero as conferências de imprensa nas quais Jorge Jesus chegou ao fim sem cometer nenhuma gaffe.

–  Foram 184, as capas de jornais desportivos que davam o Benfica como campeão.

– Foram 7893 as vezes que Pinto da Costa se referiu ao Benfica nos seus discursos.

– O Sporting teve mais treinadores este ano (5) do que vitórias fora de casa (4).  Dass!

 

A atitude de Cardozo

Foi de tal maneira grave que dificilmente existirá a possibilidade do ponta de lança coabitar no mesmo balneário de Jorge Jesus. Após se atirar ao treinador da forma inaceitável que o fez, ainda se virou depois para André Almeida. O paraguaio julga-se acima de tudo. O facto de ter levado só um jogo de suspensão, após ter puxado a camisola de um árbitro (Pedro Proença) no jogo contra o Nacional da Madeira, também é capaz de ter contribuido para que Cardozo se julgue intocável.

A solução para isto é simples, porém difícil de tomar: colocar o jogador no mercado, mas vendendo-o apenas pelo preço certo e nunca ao desbarato apenas para se ver livre do problema. Isto podia transmitir a um qualquer jogador que queira sair do clube, a ideia de que estaria à distância de um acto de indisciplina de o fazer. Caso não surja nenhum clube disposto a pagar o que o Benfica pretenda, a solução é colocá-lo na equipa B. Embora se “queime” um activo, o exemplo transmitido para o balneário seria muito mais valioso que meia dúzia de milhões de euros que se encaixaria despachando o jogador. Era isto que o Sporting devia ter feito por exemplo com João Moutinho. Enquanto o atleta não viesse a público (e por iniciativa própria), pedir desculpas ao treinador, adeptos e a todo o clube, continuaria a estagnar a sua carreia na equipa secundária.

 

Jorge Jesus: o fim do ciclo?

Depois de mais um troféu que escapou por entre os dedos, a pergunta impõe-se: irá o Benfica renovar contrato com Jorge Jesus? Quererá o próprio continuar, após este final de época desastroso?

Uma coisa é certa, o ainda treinador encarnado não merecia os insultos (embora fossem a quente) de que foi alvo quando subia à tribuna de honra para ir buscar a medalha de finalista. Há 3 semanas atrás, era o melhor treinador do Mundo, cobiçado por todos os clubes, e agora, nem um mês depois, todos o querem ver pelas costas? Somos tão latinos.

Sim, perdeu 3 títulos de forma traumatizante, mas em que ponto estava o Benfica antes de Jorge Jesus? Seguramente que não eram ultrapassados pelo Porto no final do campeonato, isto porque já estavam arrumados do título no final da primeira volta. Liga dos Campeões? Raramente lá estavam. Para o ano vão estar no pote 1 do sorteio.
Vendas consecutivas e consistentes de vários jogadores por dezenas de milhões de Euros? Deve ter sido o Quique Flores que o fez. Isto já para nem falar da final Europeira ou na qualidade do futebol jogado. Ninguém conseguiu como Jorge Jesus aproximar tanto o Benfica do FC Porto. E a questão está aqui. Antes de haver uma ultrapassagem, é necessário haver uma aproximação. Ao ser campeão na época de estreia, e da forma autoritária com que o fez, foi transmitida a falsa ilusão que o Benfica tinha finalmente batido o Porto em toda a linha. Puro engano. As 3 épocas seguintes encarregaram-se
de o demonstrar. Mas apesar disso, o Benfica esteve sempre num patamar superior ao da era pré-Jesus.

Este ano, todos os benfiquistas sonhavam seguramente com uma época à “Bayern de Munique”. Os bávaros arrecadaram campeonato, taça e liga dos Campeões. Mas o próprio Jupp Heynckes, autor da histórica proeza, terminou a época de 2011 / 12, ao comando deste mesmo Bayern, no 2o lugar do campeonto e derrotado na final da taça da Alemanha e na final da Champions. Parece-vos familiar?

PS: Para breve um post sobre a atitude nojenta de Cardozo…